Castelos, lendas e muito mais…

Portugal, com os seus castelos e lugares recônditos, é um país carregado de lendas…
Sempre lugar para curiosos propomos aqui alguns desses lugares, que bem pela arte arquitectónica como pela riqueza cultural da zona onde nasceram as lendas, sugerem uma visita e até um fim-de-semana rural de lenda com histórias de amor incluidas…

O Castelo de Bragança: Conta a lenda que uma princesa órfã vivia ali com o seu tio. Ela apaixonou-se por um nobre e valoroso cavaleiro, porém carente de recursos. O jovem partiu em busca de fortuna, promentendo retornar apenas quando se achasse digno de pedir-lhe a mão. O seu tio, anos depois, prometeu-a a um amigo, mas a jovem confessou-lhe que o seu coração pertencia a outro homem. A revelação enfureceu o tio, que decidiu aumentar a coerção por meio um estratagema: nessa noite, disfarçou-se simulando ser o fantasma do jovem ausente e, penetrando nos aposentos da princesa, afirmou-lhe com voz lúgubre, que ela estava condenada à danação, caso não aceitasse casar-se com o novo pretendente. Prestes a obter um juramento por parte da princesa, milagrosamente, apesar de ser noite, um raio de sol penetrou nos aposentos, desmascarando o tio impostor. Daí em diante, a princesa passou a viver recolhida na torre que hoje leva o seu nome.

O Castelo de Moura : A lenda remonta ao tempo da Reconquista, tendo por testemunho a antiga torre junto do atual Jardim Dr. Santiago e perpetuada no brasão de armas da vila.
A bela Salúquia era filha do governador muçulmano da região, e estava noiva de um jovem que era o alcaide do castelo. Dia após dia, aguardava ansiosamente a chegada do seu noivo, que partira para combater os cristãos. Estes, porém, avançando à conquista da povoação fizeram uma emboscada ao jovem mouro e mataram-no. Vestiram os seus trajes e com este ardil conseguiram que lhes abrissem as portas do castelo. Percebendo o embuste, a bela moura Salúquia, preferindo a morte a ser escrava e cativa dos cristãos, atirou-se da torre, acompanhando na morte o amado. E assim se explica a origem do nome Moura, no distrito de Beja.

Boca do Inferno: Há muito tempo atrás, existia num local, hoje chamado Cascais, um castelo onde vivia um terrível feiticeiro. Um dia, ele decidiu casar-se e escolheu para noiva a mais bela mulher das redondezas.
Quando a trouxeram até si, ficou cheio de ciúme impressionado pela sua beleza e decidiu fechá-la numa torre alta. O guardião decidiu um dia subir até à torre e quando abriu a porta, ficou fascinado com tamanha formosura. Nasceu dali um grande amor e fugiam juntos a cavalo.
O feiticeiro, cheio de raiva, criou uma tal tempestade que fez com que os rochedos por onde os namorados caminhavam se abrissem, como uma enorme boca infernal, que os engoliu para sempre. O buraco nunca mais fechou e começou a chamar-se, popularmente, a Boca do Inferno.

Se conhece alguma lenda que queira partilhar…escreva-nos!

Mais informações: Lendas de Portugal (Wikipédia)

Itziar Fernández

4 thoughts on “Castelos, lendas e muito mais…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *