Observação de Cetáceos nos Açores

Localizado em pleno Oceano Atlântico, o arquipélago dos Açores é formado por nove ilhas e é um dos maiores santuários de baleias do mundo. Podem-se avistar mais de 24 diferentes tipos de cetáceos e em certas comunidades é possível entrar na água e nadar com os golfinhos comuns e roazes.

A observação de cetáceos decorre durante todas as estações do ano devido ao grande número de espécies existente no arquipélago. Faz parte das rotas de migração de algumas baleias e no verão é frequente a presença de golfinhos pintados, cachalotes, baleias sardinheira e de barba, e no final do inverno há uma maior facilidade em avistar-se a baleia azul.

No passado a pesca à baleia foi uma atividade importante em muitas das ilhas, no entanto esta atividade baleeira foi convertida numa atividade turística muito apreciada que proporciona assim a existência de vários locais por todo o arquipélago que servem de base para quem queira observar estes fantásticos mamíferos.

Golfinhos Açores

Na Ilha de S. Miguel, em Ponta Delgada e Vila Franca do Campo, existem diversos operadores especializados na observação de cetáceos. As embarcações são para grupos de 80 pessoas e proporcionam comodidade e segurança no decorrer da atividade. Durante os meses de primavera, no canal entre as ilhas de S. Miguel e Santa Maria, é frequente o avistamento da baleia azul que é simplesmente o maior animal à face da terra com cerca de 30 metros de comprimento e com um peso de até 150 toneladas.

Na ilha Terceira, em Angra do Heroísmo e na Praia da Vitória, a oferta para observação de cetáceos é variada destacando-se a disponibilização de unidades turísticas que conjugam o alojamento com as atividades de mar. Das múltiplas espécies cujas rotas de migração incluem a ilha Terceira, são de salientar as imponentes baleias azuis que passam na primavera e no outono entre a Terceira e S. Jorge.

Baleia Piloto

Na cidade da Horta, ilha do Faial, existe um dos principais e mais dinâmicos centros de observação e estudo de cetáceos do arquipélago. Os guias de alguns dos operadores de observação de cetáceos presentes na Horta são cientistas e técnicos ligados à Universidade dos Açores que ali tem os seus principais centros de estudo e investigação. Em parceria com outras universidades internacionais, existem aqui vários programas de estudo das populações, migrações e rotas dos grandes animais marinhos nas áreas da Oceanografia, Biologia Marinha e Pescas.

O Pico é a ilha dos Açores onde a tradição baleeira se encontra mais enraízada; com operadores na Madalena, nas Lajes e em Santo Amaro, esta ilha foi o último pólo a abandonar a prática da caça à baleia na década de 80. Podemos conhecer a sua história visitando os vários museus e centros etnográficos que apresentam as velhas artes tradicionais da atividade. Destacam-se o Museu dos Baleeiros, o Centro de Artes e Ciências do Mar – SIBIL e o Museu da Indústria Baleeira.

Golfinhos Comuns Açores

Para os que desejam participar nesta aventura, existe uma preparação em terra através de uma explicação aos visitantes sobre as várias espécies que poderão avistar, a forma como irá decorrer a viagem e os cuidados e precauções que devem ser tomados para não se interferir com a vida marinha. A bordo das embarcações é obrigatório o colete salva-vidas e em certas condições meteorológicas aconselha-se o uso de calças e casaco impermeável (normalmente providenciados pelos operadores).

No caso do mar não permitir que sejam efetuados os passeios de observação dos cetáceos, existem em terra vários museus e centros de interpretação, principalmente nas ilhas do Pico e do Faial, que valem a pena visitar. Outra hipótese é visitar as vigias da baleia espalhadas em pontos estratégicos das várias ilhas com panoramas surpreendentes, onde poderá dar uso a um grito antigo: “Baleia à vista!”.

One thought on “Observação de Cetáceos nos Açores

  1. Patrícia Pereira

    Bom dia,
    o meu nome é Patrícia pereira e trabalho para a agência de comunicação Hill & Knowlton.
    Gostaria de pedir-lhe um contacto de email e/ ou telefónico para futuros contactos profissionais, uma vez que trabalhamos alguns clientes na área do turismo e poderão surgir oportunidades de realizarmos um trabalho conjunto de futuro.

    Obrigada,
    Patrícia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *