Tag Archives: Parque Natural

Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros – Série Reservas Naturais

Prosseguindo a nossa série dedicada às Reservas Naturais de Portugal, viajamos desta vez até ao Parque Natural das Serras de Aire e CandeeirosDesde 1979 que é considerado área protegida, visando-se assim a protecção da natureza e também património arquitectónico da região. O nome do Parque provém das duas serras que o constituem. Com quase 39 mil hectares, abrange municípios dos distritos de Leiria e Santarém. Vamos conhecê-lo?

É a mais importante zona calcária nacional e também o maior reservatório de água doce do país (aproximadamente 65 mil hectares), alimentado sobretudo pelas águas da chuva e que forma nascentes como a do Alviela (que abastece Lisboa desde 1880).

O Parque é considerado como “a capital da espeleologia” devido às várias cavidades naturais existentes, sendo as Grutas de Mira d’ Aire (ou Gruta dos Moinhos Velhos) as mais famosas. Abertas ao público desde 1970, e eleitas pelos seguidores Toprural como uma das 7 Maravilhas Rurais de Portugal, têm aproximadamente 9 km de extensão. Destes, apenas 600 metros são visitáveis, embora já seja uma excelente oportunidade para observar fantásticas estalactites, estalagmites, lagos interiores, etc.

Também não pode deixar de visitar as Pegadas da Serra de Aire, uma antiga pedreira onde se descobriram pegadas de dinossauros em 1994, dando assim origem ao espaço actual, de grande importância paleontológica. Além de atracções como o “Jardim Jurássico”, aqui encontrará os maiores e mais bem conservados trilhos de saurópodes de que há conhecimento: são mais de 1000 pegadas com 175 milhões de anos.

Todo este ambiente natural, desenvolvido ainda no Jurássico Médio, torna-se automaticamente o lar ideal para uma grande variedade da fauna (mais de 600 espécies) e flora de todas as espécies de mamíferos (sobretudo morcegos, devido à existência de tantas grutas e cavernas), aves (como a gralha-de-bico-vermelho e o bufo real), anfíbios (a salamandra-de-fogo e o tritão-marmoreado) e répteis (como a víbora-cornuda, por exemplo).

Resumindo, esta área protegida abrange pontos de interesse que vão dos vestígios de dinossauros às maiores grutas do país, de importantes recursos geológicos a todas as espécies que constituem tamanha biodiversidade. Serão necessárias mais razões para fazer um pouco de turismo rural na região?

Parque Natural do Vale do Guadiana – Série Reservas Naturais

Continuando a Série de Reservas Naturais Toprural, a nossa atenção recai agora sobre o Parque Natural do Vale do Guadiana. Criado em 1995 e com praticamente 70 mil hectares, está situado no Baixo Alentejo, e abrange mais do que um concelho do distrito de Beja (uma parte no concelho de Serpa e outra no de Mértola).

O Parque segue o curso do rio Guadiana, entre a queda de água do Pulo do Lobo (provavelmente a maior atracção e que foi candidato a Maravilha Rural 2012) e a ribeira do Vascão (que divide o Alentejo do Algarve). Na zona do Guadiana poderá também visitar vários açudes e moinhos.

Outros locais a não perder são Mértola (a vila-museu e principal pólo urbano do Parque) e o antigo complexo mineiro de São Domingos. Esta mina foi, noutros tempos, a maior mina de pirite da Península Ibérica. Explorada por ingleses e empregando mais de 1500 mineiros, foi definitivamente encerrada em 1960. No entanto, ainda poderá ver o Bairro Mineiro e o Palácio dos Ingleses. Se fizer bom tempo, vale a pena passar pela Praia da Albufeira da Tapada Grande, nas redondezas da mina.

De acordo com a Associação Rota do Guadiana, as espécies vegetais predominantes são o sobreiro, pinheiro-manso, azinheiras e estevas. Por sua vez, a fauna da região revela-se riquíssima: javalis, raposas, saca-rabos, ginetes, texugos e gatos-bravos compõem a família terrestre. No mundo aquático, destacam-se os ciprinídeos, nomeadamente o barbo, boga e lampreia. No que diz respeito às aves, há concentrações de águias-de-Bonelli, abutres do Egipto e bufos-reais, além das cegonhas (comuns e, mais raras, as cegonhas-pretas).

Com a meteorologia a melhorar, as zonas naturais de Portugal são excelentes destinos para turismo rural, seja para umas férias prolongadas ou um fim de semana de recuperação de energias.

Se não é grande apreciador das zonas mais quentes no pico do Verão, esta é então a melhor altura para planear uma incursão ao Vale do Guadiana. Boa viagem!

A Ria Formosa – Série Reservas Naturais

Aproveitamos para adicionar mais um destino à nossa Série de Reservas Naturais Toprural, dedicando desta vez o capítulo à área protegida da Ria Formosa, que recebeu o estatuto de Parque Natural em 1987 (embora tivesse estatuto de Reserva Natural desde 1978).

A Ria é um sapal localizado no Algarve, tem uma área de mais de 18 mil hectares (estendendo-se de Loulé a Vila Real de Santo António) e atinge a sua largura máxima (6 km) perto de Faro.

Além da sua importância para a economia (devido à variedade de peixe e marisco), é uma zona riquíssima também pela sua fauna, constituindo um ponto importante de observação de aves migratórias (onde se encontram o pato-trombeteiro, o marrequinho-comum ou o maçarico-real, por exemplo). Outras espécies conhecidas são o flamingo, a águia de asa redonda, a galinhola e o guarda-rios.

Não obstante, a espécie rara e símbolo do parque é o caimão-comum, que apenas existe e se reproduz nesta região do Algarve. Outro animal com presença no Parque e em extinção na Europa é o camaleão.

No que diz respeito a lugares de interesse, destaque-se o percurso pedestre em Olhão. São cerca de 3 km ao longo dos quais é possível visitar (recomendações da APOS):

  • uma estação romana do século IV (onde existem vestígios de antigos tanques de salga de peixe)
  • um moinho de maré
  • uma barca de atum (que em tempos levava o peixe até às fábricas de conserva)
  • um observatório de aves, um aquário (anexo ao Centro de Educação Ambiental)
  • Centro de Recuperação de Aves (reabilitação de aves feridas)

Se procura turismo rural no Algarve e com enorme valor ecológico, a Ria Formosa é um destino único no país. Aproveite a sua riqueza natural e… boa viagem!

Visite o Parque Natural de Montesinho

Mais uma sugestão de visita da Toprural, neste caso a Trás-os-Montes, numa região que faz já fronteira com a vizinha Espanha. Falamos do Parque Natural de Montesinho.

Parque Natural de Montesinho | Foto de Manuel Anastácio

Situado no nordeste transmontano, o Parque expande-se por cerca de 75 mil hectares, sendo constituído por vales e serras, onde se destacam a Serra de Montesinho, a norte de Bragança; e a Serra da Coroa a norte de Vinhais. Característico do parque são também os seus rios como o Sabor, Maçãs, Baceiro, Mente, Rabaçal e Tuela.

No Inverno é a neve que impera na região, por isso tenha isso em atenção quando visitar o Parque, protegendo-se do frio e tomando as medidas necessárias se levar a sua viatura. Para calcular melhor a viagem, fique a conhecer algumas das distâncias a partir de algumas cidades portuguesas e espanholas, sempre com o destino marcado para Bragança. Assim, desde Lisboa são 506 km; do Porto são 255 km; de Faro, 724 km; de Valladolid, em Espanha, uns 204 km; desde Vigo são 280 km; e de Madrir 357 km.

No que diz respeito à flora, pode encontrar no Parque  aqui algumas espécies raras em Portugal, como a arméria, a vulnerária e a gramínea. Isto em pequenos portes, porque nos grandes pode encontrar bastantes bosques autóctones de carvalhais sardoais.

Já na fauna, o Parque Natural é habitado por importantes espécies, e com necessidades de protecção, como o lobo-ibérico, a corça ou o veado. São também usuais cerca de cento e sessenta espécies de aves, com “raridades” como a águia-real e a cegonha-negra.

Aqui sente a natureza transmontana no seu auge. Para a ver, de perto, e ainda melhor, veja as sugestões de visita sugeridas pelo Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade.

Visite o Parque Natural do Tejo Internacional

Propomos, desta vez, a visita a um dos nossos parques naturais, neste caso  o Parque Natural do Tejo Internacional. Esta é mais uma sugestão da Toprural no âmbito deste que é o Ano Internacional das Florestas.

Azinheira, uma das espécies mais frequente no Parque | Foto de Fritz Geller-Grimm
Situado na zona Este do território português, abrange os concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão, faz fronteira com Espanha, sendo que no outro lado encontra o Parque Natural Tajo Internacional. Ocupa uma área de mais de 26 mil hectares e como o nome deixa adivinhar, é dominado pelo rio Tejo em toda a sua extensão.

No que diz respeito às espécies de fauna presentes, destaque para os azinheiras, sobreiros e carvalhos em algumas zonas junto ao rio. Já no que respeitante às espécies animais, destaque para o facto de este ser um dos raros locais onde ainda é possível observar cegonhas-negras. Por aqui são usuais espécies como a águia-de-Bonelli, águia-real e abutre-do-Egito, sendo esta uma importante zona de nidificação. Já no campo dos mamíferos, o destaque vai para a lontra-europeia e o veado-vermelho.

Zona onde imperam as paisagens de cortar  a respiração, quase que isso bastava para aconselhar a visitar. Ainda assim, se quiser descobrir um pouco mais, como os dólmens que existem na região, pode sempre considerar os percursos aconselhados pelo Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade.

Boa viagem!