Tag Archives: Cinema

5 destinos rurais no cinema: o espaço enquanto personagem

O cinema português, contador de histórias e quadro da vida social ao longo de várias épocas, está profundamente ligado à vida rural do país. Desde os primeiros filmes até à atualidade, vários realizadores escolhem a ruralidade lusa para uma das suas obras.

Muitas vezes, essa ruralidade impõe-se de tal forma que transcende o papel de mero espaço de acção para afirmar-se enquanto personagem incontornável da narrativa. Assim, e pegando num turismo rural para cinéfilos, passamos por 5 filmes portugueses onde o meio rural é protagonista:

Mulheres da Beira (1923, Rino Lupo)
Mulheres da BeiraRino Lupo, 1923
O realizador italiano que se apaixonou pelo sol português realizou este filme passado em Arouca. A história conta os devaneios amorosos de Aninhas, uma jovem do campo que sonha com riqueza e amor.

Uma Abelha na Chuva (1972, Fernando Lopes)
Uma Abelha na ChuvaFernando Lopes, 1972
Adaptação do romance homónimo de Carlos de Oliveira, cuja ação decorre na região de Cantanhede (distrito de Coimbra), retrata um país pobre e isolado, e a vida social sob o totalitarismo. “Um universo rural imobilista e opressivo, quebrado por ausências, desencontros ou silêncios” (José de Matos-Cruz, Cais do Olhar – 1999; Cinemateca Portuguesa).

Trás-os-Montes (1976, António Reis e Margarida Cordeiro)
Trás-os-MontesAntónio Reis e Margarida Cordeiro, 1976
Filmado na região do norte do país que lhe deu o título, as suas imagens fluem como um verdadeiro sonho cinematográfico. Testemunho da tradição rural portuguesa, pode ser descrito como “um hino ao interior do nosso país (…), um exercício de nostalgia, da busca de um passado que existe (…)”. (fonte)

Silvestre (1981, João César Monteiro)
SilvestreJoão César Monteiro, 1981
Baseado em dois contos populares (“A donzela que vai à guerra” e “A mão do finado“, do ciclo “Barba Azul”), o filme de César Monteiro passa-se em Trás-os-Montes e conta a história de D. Rodrigo, um varão sem herdeiros que decide casar as suas duas filhas (uma delas ilegítima).

Vale Abraão (1993, Manoel de Oliveira)
Vale AbraãoManoel de Oliveira, 1993
O clássico de Manoel de Oliveira baseado no romance homónimo de Agustina Bessa-Luís tem por cenário o imponente vale do Douro. Conta a história de Ema (a “Bovarinha”), o seu gosto pelo luxo, um casamento sem amor, os seus amantes e ilusões.

A vida rural continuará certamente a influenciar a produção artística nacional, sobretudo no grande ecrã. Conhece outros filmes nacionais cuja narrativa se passe no meio rural? Partilhe-os nos comentários abaixo.

Casas rurais com filmes

A sétima arte anda agora nas bocas do mundo, ou não tivesse ocorrido há pouco a 83.ª edição dos Óscares. Assim, nada melhor do que uma selecção de casas Toprural onde poderá passar o tempo a ver (bons) filmes.

Obviamente que não lhe vamos dizer para passar todo o tempo de descanso fechado em casa. Claro que, independentemente do local para onde vá, de certo que existem inúmeras opções de diversão, ou simples relaxamento, ao ar livre. No entanto, uma sessão de cinema, com ou sem pipocas, é uma opção bastante apetecível quando o objectivo é ‘apenas’ perder-se no enredo de uma bela película.

Fique com a sugestão de casas rurais onde poderá assistir a alguns filmes, sejam eles em salas comuns, com aparelhos de home cinema ou no sossego do quarto, com ‘simples’ leitores de DVD:

Casas de Romaria, Brotas, Évora.

A Casa do Ouvidor, São Roque do Pico, Pico, Açores.

Casa Nossa Senhora da Conceição, Estreito da Calheta, Madeira.

Horta da Coutada, Monsaraz, Évora.

Casa de Santa Ana da Beira, Paranhos, Guarda.

Quinta do Gigante, Sever do Vouga, Aveiro.

Quinta do Bento Novo, Perre, Viana do Castelo.

Casa de Lamas, Alvite, Braga.

Casa do Terreiro do Poço, Borba, Évora.

Já agora, e retomando o assunto dos Óscares, se ainda não sabe quem foram os vencedores, ou se pretende conhecer a fundo todos os nomeados, pode sempre fazer uma visita à página oficial dos prémios (link em inglês).

Bons filmes!

Foto: montagem de fotografias de Takkk e Logicaldisaster.

O cinema “rural”

Característica inequívoca do cinema nacional é que grande parte dos filmes é rodado nas grandes cidades, com Lisboa e Porto, e respectivas áreas limítrofes,  no topo das preferências. Mas aqui na Toprural descobrimos algumas películas que têm a paisagem rural como principal cenário.

Fique com 7 filmes portugueses e um outro, estrangeiro, que foi filmado em território luso.

Ainda Há Pastores?
Documentário de 2006, do realizador Jorge Pelicano, revela a história de Hermínio, pastor de Casais de Folgosinho, em Viseu, o pastor mais novo da região, com 27 anos. A solidão de dias entregues  ao pastoreio animados apenas pela música que sai do seu rádio com cassetes de Quim Barreiros, tornam Hermínio numa personagem quase ficcional, mas que é a mais pura das realidades. Casas rurais em Viseu.

Second Life
É de 2009 este filme de Alexandre Valente e Miguel Gaudêncio. Reune um elenco com diversas figuras públicas e conhecidos actores portugueses, tendo as filmagens sido realizadas na Herdade da Malhadinha, entre Castro Verde e Beja, Alentejo, Todo o enredo se baseia no “e se?”. E se tivesse feito outras escolhas? Seria esta a minha vida? Casas rurais em Beja.

I’ll See You In My Dreams
De 2003, é considerado o primeiro filme português de terror. Produzido por Filipe Melo, condensa, nos seus pouco mais de 20 minutos, a história de uma vila que inexplicavelmente é assombrada por uma praga de zombies. Filmado na região de Tondela, em Viseu, foi distinguida como a melhor curta-metragem no Fantasporto. Casas rurais em Viseu.

Coisa Ruim
Ainda no género do terror, este filme de 2005 teve a produção de Paulo Branco e a realização de Tiago Guedes e Frederico Serra. Com argumento de Rodrigo Guedes de Carvalho,  e filmado na freguesia de Torroselo, em Seia, relata a história de uma família que herda uma casa na província, para onde se muda deixando a grande cidade. Só que a casa aparenta estar assombrada… Casas rurais em Seia.

Dot.com
Filme de 2007, relata a história da fictícia aldeia de Águas Altas, que está no centro de uma polémica internacional. Tudo porque uma multinacional pretende lançar uma água com o mesmo nome, e reclama o site da aldeia. E há quem queira vender, e outros que se mostram irredutíveis. Realizado por Luís Galvão Teles na zona de Ferreira do Zêzere. Casas rurais em Ferreira do Zêzere.

Um Funeral à Chuva
Com a região da Covilhã como cenário, esta película revela a história de um grupo de antigos estudantes universitários que se reencontra, 10 anos depois, na cidade onde haviam estudado, devido à morte de um deles. E há muitas diferenças desde há uma década atrás. Realizado por Telmo Martins, é de 2009. Casas rurais na Covilhã.

Aquele Querido Mês de Agosto
Filmado nas zonas de Arganil, Góis e Oliveira do Hospital, é o exemplo do “documentário-ficção”, filme que mistura os dois géneros. Retrata o coração de Portugal no mês de Agosto, com todas as festas e bailaricos, acompanhando as relações sentimentais entre pai, filha e o primo, todos músicos. Realizado por Miguel Gomes.
Casas rurais de Arganil, Góis e Oliveira do Hospital.

A Casa dos Espíritos
Não é português este filme de 1993 baseado num livro de Isabel Allende, mas é talvez o mais conhecido filme internacional filmado numa zona rural em Portugal. O concelho de Odemira, perto de Vila Nova de Mil Fontes, foi o cenário para este filme do realizador Bille August e que conta com actores como Meryl Streep, Glenn Close, Jeremy Irons, Winona Ryder, e Antonio Banderas, entre outros. Continua a ser a película filmada em Portugal que mais lucrou, com ganhos de 6,2 milhões de dólares ( ao câmbio de 1993, obviamente). Casas rurais de Vila Nova de Milfontes.

Conhece mais algum filme nacional que tenha sido filmado em zona rural? Deixe o seu comentário.

Foto: retirada do blog oficial do documentário “Ainda Há Pastores?” em http://aindahapastores.blogspot.com.

O cinema “rural”
Por muito que se tente puxar a brasa à sardinha, a realidade é que o cinema português ainda tem alguma dificudlade em chamar espectadores. Ainda assim, e felizmente para a cultura nacional, ultimamente são já algumas as obras que alcançam número de espectadores considerados aceitáveis.

No entanto, não são suficientes para suportar uma indústria privada. Ainda têm, muitas produções, que recorrer a apoios estatais para serem realizadas. Ainda falta assim percorrer um longo caminho, para que este aparente divórcio entre o público e o cinema português chegue ao fim.

Característica inequívoca é que grande parte do cinema em Pritugal é rodado nas grandes cidades, com Lisboa e Porto, e aras limítrofes,  no topo das preferência dos realizadores. Mas, para contrariar um pouco essa tendência, aqui estão alguns filmes nacionais (e um outro internacional) que tiveram a paisagem rural de Portugal como cenário
Ainda há pastores?
Documentário de 2006, do realizador Jorge Pelicano, revela a história de Hermínio, pastor de Casais de Folgosinho, em Viseu, o pastor mais novo da região, com 27 anos. A solidão de dias entregues  ao pastoreio animados apenas pela música que sai do seu rádio com cassetes de Quim Barreiros, tornam Hermínio numa personagem quase ficcional, mas que é a mais pura das realidades.
Casas rurais em Viseu ou casais folgosinho
Imdb  – http://www.imdb.com/title/tt0897412/

Second Life
É de 2009 este filme de Alexandre Valente e Miguel Gaudêncio. Reuniu um elenco com diversas figuras públicas e grandes actores portugueses, tendo as filmagens sido realizadas na Herdade da Malhadinha, entre Castro Verde e Beja, Alentejo, Todo o enredo se baseia no “e se?”. E se tivesse feito outras escolhas? Seria esta a minha vida?
Casas rurais em Castro Verde
..

I’ll see you in my dreams
Filmado em 2003, esta curta metragem é considerado o primeiro filme de terror português. Produzida por Filipe Melo, condensa nos seus pouco mais de 20 minutos a história de uma vila que inexplicavelmente é assombrada por uma praga de zombies. Filmado na região de Tondela, foi destinguida como a melhor curta-metragem no Fantasporto.
Coisa Ruim
Ainda no género do terror, este filme de 2005 teve a produção de Paulo Branco e a realização de Tiago Guedes e Frederico Serra. Com argumento de Rodrigo Guedes de Carvalho,  e filmado na freguesia de Torroselo, em Seia, relata a história de uma família que herda uma casa na província, para onde se muda. Só que a casa aparenta estar assombrada…

Dot.com
Filme de 2007, relata a história da fictícia aldeia de Águas Altas, que está no centro de uma polémica internacional. Tudo porque uma multinacional pretende lançar uma água com o mesmo nome, e reclama o site da aldeia. E há quem queira vender, e outros que se mostram irredutíveis. Realizado por Luís Galvão Teles na zona de Ferreira do Zêzere.
Um Funeral à Chuva
Com a região da Covilhã como cenário, esta película retrata a a história de um grupo de antigos estudantes universitários que se reencontra, 10 anos depois, na cidade onde haviam estudado, devido à morte de um deles. Realizado por Telmo Martins, é de 2009.
Casas rurais na Covilhã

Aquele Querido Mês de Agosto
É o chamado “documentário-ficção”, misturando os dois géneros. Retrata o coração de Portugal no mês de Agosto, com todas as festas e bailaricos, acompanhando as relações sentimentais entre pai, filha e o primo, todos músicos. Realizado por Miguel Gomes, é de 2008, tendo sido filmado nas zonas de Arganil, Góis e Oliveira do Hospital.
Casas rurais de

A Casa dos Espíritos
Não é português este filme de 1993 baseado num livro de Isabel Allende, mas é talvez o mais conhecido filme internacional filmado numa zona rural em Portugal. O concelho de Odemira, perto de Vila Nova de Mil Fontes foi o cenário para este filme do realizador Bille August e que conta com actores como Meryl Streep, Glenn Close, Jeremy Irons, Winona Ryder, e Antonio Banderas, entre outros. Continua a ser a película filmada em Portugal que mais lucrou, com ganhos de 6,2 milhões de dólares ( ao câmbio de 1993, obviamente).
Conhece mais algum filme nacional que tenha sido filmado em zona rural? Deixe o seu comentário.