Tag Archives: salinas

Viajando pela Rota do Sal

O que seria da nossa vida sem sal? Nada! Outrora bastante valorizado pelo Homem, foi tido como moeda de troca (daí o termo “salário”) e utilizado até nas mumificações egípcias!

O sal marinho (que utilizamos em diversas áreas, sobretudo na culinária) nasce da evaporação da água do mar e difere do sal de mesa no sentido em que este, também apelidado sal de rocha, é obtido a partir de minas subterrâneas. Regra geral, o sal obtido a partir de métodos artesanais possui menos cloreto de sódio do que o produzido industrialmente, conservando elementos como o magnésio e potássio.

Portugal sempre foi conhecido pela produção de sal, apesar da diminuição da decrescente competitividade das tradicionais salinas (área onde se produz sal através da evaporação da água do mar, ou de lagos de água salgada), ao longo das décadas, face aos processos industriais, mais competitivos.

Com o passar dos séculos, o nosso litoral foi sofrendo alterações naturais, fazendo com que muitos centros de produção salina tenham desaparecido. No entanto, algumas zonas permaneceram centros de produção de sal até aos dias de hoje. Descubramos assim cinco salinas importantes em Portugal.


Salinas de AveiroDistrito de Aveiro
Entrando em Aveiro perto das praias, o canal de S. Roque mostra ainda os antigos palheiros de armazenamento convertidos em restaurantes e bares. A autarquia possui um pequeno ecomuseu do sal.


Salinas da Figueira da FozDistrito de Coimbra
Estão situadas na ilha da Murraceira, no leito do rio Mondego. Ou melhor, estavam. Com o gradual abandono desta actividade na Figueira da Foz, o espaço foi reconvertido para aquacultura. No entanto, ainda é mais do que merecedor de uma visita, não se podendo perder belas áreas de produção como o Corredor da Cobra.


Salinas do TejoDistrito de Lisboa
Perto de Alcochete há poucas salinas activas, como a Salina do Brito e as do Samouco (410 hectares). Embora o acesso possa estar interdito a grande parte da área, a verdade é que podemos observar a importância das salinas na preservação da biodiversidade da fauna local.


Salinas do Sado – Setúbal
A actividade praticamente desapareceu no estuário do Sado. Actualmente podemos observar vastas áreas de salinas abandonadas e talvez alguns montes de sal. Mais para os lados de Setúbal poderá visitar a Salina da Marinha Nova. Do lado de Tróia, tem oportunidade de visitar a Torrinha: aqui ainda está um grande complexo com as maiores salinas do Sado.


Salinas do Algarveregião do Algarve
Aqui há três salinas importantes: Olhão (no Parque Natural da Ria Formosa), Tavira e Castro Marim. Foi no Algarve que se deu alguma atenção ao tipo de flora existente nas salinas, constituindo uma via potencial de desenvolvimento económico da região.

A salina enquanto zona de extracção/produção de sal constitui ainda hoje, para parte da população, uma actividade económica importante. No entanto, algo inseparável destes admiráveis marcos de tradição e qualidade produtiva nacional é o seu papel importante na preservação da fauna e flora.

Se quiser partilhar a sua experiência ao visitar estas zonas de Portugal, escreva-nos através da secção de comentários abaixo.

A Ria Formosa – Série Reservas Naturais

Aproveitamos para adicionar mais um destino à nossa Série de Reservas Naturais Toprural, dedicando desta vez o capítulo à área protegida da Ria Formosa, que recebeu o estatuto de Parque Natural em 1987 (embora tivesse estatuto de Reserva Natural desde 1978).

A Ria é um sapal localizado no Algarve, tem uma área de mais de 18 mil hectares (estendendo-se de Loulé a Vila Real de Santo António) e atinge a sua largura máxima (6 km) perto de Faro.

Além da sua importância para a economia (devido à variedade de peixe e marisco), é uma zona riquíssima também pela sua fauna, constituindo um ponto importante de observação de aves migratórias (onde se encontram o pato-trombeteiro, o marrequinho-comum ou o maçarico-real, por exemplo). Outras espécies conhecidas são o flamingo, a águia de asa redonda, a galinhola e o guarda-rios.

Não obstante, a espécie rara e símbolo do parque é o caimão-comum, que apenas existe e se reproduz nesta região do Algarve. Outro animal com presença no Parque e em extinção na Europa é o camaleão.

No que diz respeito a lugares de interesse, destaque-se o percurso pedestre em Olhão. São cerca de 3 km ao longo dos quais é possível visitar (recomendações da APOS):

  • uma estação romana do século IV (onde existem vestígios de antigos tanques de salga de peixe)
  • um moinho de maré
  • uma barca de atum (que em tempos levava o peixe até às fábricas de conserva)
  • um observatório de aves, um aquário (anexo ao Centro de Educação Ambiental)
  • Centro de Recuperação de Aves (reabilitação de aves feridas)

Se procura turismo rural no Algarve e com enorme valor ecológico, a Ria Formosa é um destino único no país. Aproveite a sua riqueza natural e… boa viagem!